Exposição “Onde os arquivos despertam” revela curiosidades e bastidores de um acervo histórico

No dia 14 de agosto (terça-feira), o Museu da Energia de São Paulo, mantido pela Fundação Energia e Saneamento com patrocínio via Lei Rouanet da CTG Brasil, inaugura a sua nova exposição temporária, “Onde os arquivos despertam”. A mostra apresenta uma pequena fração do vasto acervo da Fundação Energia e Saneamento, composto por mais de 260 mil materiais iconográficos, 1.600 metros lineares de documentos textuais, entre outros, e que apresentam a história da energia, da industrialização e da urbanização no Estado de São Paulo. Além de reunir fotografias, mapas e outros documentos curiosos, a exposição revela os bastidores do dia a dia em um acervo histórico, convidando o público a conhecer o ambiente de trabalho de um arquivo, seus profissionais e as práticas de tratamento e cuidado com os documentos.

Dentre os itens de acervo expostos, destacam-se desenhos arquitetônicos do Solar da Marquesa, último exemplar remanescente da arquitetura residencial urbana setecentista na Capital, e que, no início do século 20, pertenceu à The San Paulo Gas Company, empresa inglesa responsável pela implantação da iluminação pública a gás em São Paulo a partir de 1872; a exposição ainda apresenta fichas de funcionários da antiga companhia Light, que introduziu os bondes elétricos na cidade a partir de 1900 – os documentos registram a crescente presença de imigrantes na Capital neste período; e fotografias e documentos pessoais do engenheiro Catullo Branco, pioneiro nos estudos sobre energia eólica no país, nos anos 1930, deputado federal nos anos 1940 e responsável pelo projeto da Hidrovia Tietê-Paraná, umas das mais importantes do país. A mostra temporária permanece no museu até 13 de outubro.

A Fundação Energia e Saneamento salvaguarda, por meio de seu Núcleo de Documentação e Pesquisa (NDP), uma rica diversidade de documentos, como mapas, fotografias, arquivos textuais e audiovisuais e objetos museológicos, e que foram produzidos desde o final do século XIX e doados à instituição pelas empresas do setor de energia. Tais documentos permitem a compreensão das mudanças ocorridas na economia e na sociedade brasileiras ao longo do século XX, em parte pela influência da eletrificação no país e sua relação com os processos de urbanização e industrialização. A equipe do NDP, em conjunto com o Setor Educativo do museu, foi a responsável pela curadoria da exposição.

CICLO DE PALESTRAS “ARQUIVOS, MUSEUS E BIBLIOTECAS”

Integrando a programação da exposição, haverá a realização de um ciclo de palestras com o tema “Arquivos, Museus e Bibliotecas”. A primeira roda de conversa acontece no dia 25 de agosto. Às 11 horas, Marcia Pazin, Doutora e Mestre em História Social pela USP e docente do curso de Arquivologia da UNESP (Campus Marília), realiza uma palestra sobre memória institucional a partir da sua experiência no acervo da Fundação Energia e Saneamento. No mesmo dia, às 15 horas, Marilúcia Bottallo, museóloga especializada em Gestão de Informações e em Gestão institucional e diretora técnica do Instituto de Arte Contemporânea (IAC), compartilha sua vivência na área de documentação, conservação e extroversão de arquivos no setor das artes.

A exposição “Onde os arquivos despertam” conta com o apoio do Instituto de Arte Contemporânea – IAC e da Casa do Restaurador. O ciclo de palestras tem a colaboração das instituições IAC, Fundação Bunge, Museu da Imigração, Biblioteca Parque Villa-Lobos, Memorial da Resistência e Museu da Obra Salesiana.

OFICINA “DOCUMENTO DE FAMÍLIA”

Outra atividade paralela à exposição é a oficina “Documento de Família“. Gratuita, a ação será realizada no dia 1º de setembro (sábado), às 10 horas, e oferecerá orientações da área de arquivística e conservação para o público que deseja saber como preservar, da forma mais adequada, fotos e documentos antigos de família. As vagas são limitadas e é necessário inscrever-se pelo e-mail saopaulo@museudaenergia.org.br.

Ministrada pela profissional arquivista Maria Fernanda Mendes e Freitas, coordenadora de documentação da Fundação Energia e Saneamento, a oficina abordará a importância de se ter um acervo pessoal organizado e como tratar as documentações geradas ao longo da vida, sejam elas fotográficas ou textuais. O workshop ainda dará dicas para quem tem o hábito de acumular documentos físicos e digitais (o que guardar e o que descartar?), ensinando a melhor forma de acondicionamento e os tipos de materiais mais adequados (pastas, envelopes etc), além de orientações sobre o que fazer com documentos já danificados.

SERVIÇO EXPOSIÇÃO “ONDE OS ARQUIVOS DESPERTAM” NO MUSEU DA ENERGIA DE SP

Datas: 14 de agosto a 13 de outubro de 2018.

Onde? Museu da Energia – Alameda Nothmann, 184, Campos Elíseos, São Paulo – SP
Funcionamento: terça a sábado, das 10 às 17 horas.

Informações: 11 3224 1489 ou saopaulo@museudaenergia.org.br

ENTRADA GRATUITA

www.museudaenergia.org.br

Hidrelétrica Chavantes ganha exposição histórica

Nesta semana, a hidrelétrica Chavantes inaugura uma exposição histórica permanente apresentando os fatos mais marcantes dos seus 48 anos de atividades, em painéis com fotos e textos.  Com a mostra instalada na sede da usina, a CTG Brasil – empresa que opera Chavantes por meio da Rio Paranapanema Energia – está disponibilizando para colaboradores e visitantes esse importante acervo e colaborando para manter a história da usina viva. A hidrelétrica Chavantes fica no Rio Paranapanema, entre os municípios de Chavantes (SP) e Ribeirão Claro (PR), e recebe grupos de visitantes de cidades da região, especialmente estudantes, por meio de um programa visitas.

A exposição é realizada em parceria com a Fundação Energia e Saneamento e foi elaborada com o propósito de preservar a memória da usina, que tem importante papel no desenvolvimento regional. “A partir de agora, esse resgate histórico pode ser compartilhado com as gerações atuais e futuras, já que a exposição passa a fazer parte do roteiro de visitação da usina”, comenta a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora.

Nos painéis, além de fotos que retratam desde o período de construção da usina até os dias atuais, há informações técnicas como capacidade, geração de energia e  programas ambientais desenvolvidos na área de abrangência da hidrelétrica. O espaço também traz o perfil da CTG Brasil – uma das maiores empresas de energia limpa do mundo que administra 14 hidrelétricas no País, oito delas no Rio Paranapanema.

Visitação

A visita à exposição, bem como aos demais espaços da usina hidrelétrica Chavantes, é gratuita e está aberta a estudantes e outros grupos interessados, de 25 a 50 pessoas. É necessário fazer um agendamento prévio pelo e-mail programadevisitas@andreucci.com.br. No caso de escolas (ensinos fundamental, médio e superior), os estudantes devem ser acompanhados por três representantes da instituição.

O Programa de Visitas da CTG Brasil é realizado por monitores que explicam o funcionamento da usina, enquanto percorrem com os visitantes salas de comando, turbinas e barragem – um roteiro que dura em média 1 hora. “O público também recebe informações sobre os programas ambientais da companhia, além da importância do uso sustentável da água, que é nossa fonte de energia e patrimônio natural de todos”, ressalta a diretora da empresa.

Corrida pelo Verde reuniu mais de mil participantes

Ilha Solteira sediou, no último domingo, a 4ª etapa da Corrida pelo Verde. O evento de corrida e caminhada reuniu mais de mil pessoas entre atletas amadores, disputando as provas de 4km e 8km, e caminhantes de todas as idades. O público também marcou presença na Praça dos Paiaguás, local da largada, incentivando os participantes. A Corrida pelo Verde é realizada pela Associação Paraolímpica de Campinas (APC), com patrocínio da CTG Brasil, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, e apoio da Prefeitura Municipal de Avaré.

Para a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora, a disposição dos atletas e a participação da comunidade contribuíram para o sucesso do evento. “Estamos satisfeitos com o resultado da programação, prestigiada pelos moradores de Ilha Solteira e também da região”, destaca.

Nas provas de corrida, os lugares no pódio foram bastante disputados. Entre os homens, nos 8 km o primeiro lugar ficou com Ricardo de Souza, com o tempo de 28 minutos e 53 segundos, e no feminino a vencedora foi Bárbara Bento Bitencourt, com 35 minutos e 52 segundos.

No masculino, a corrida de 4km foi vencida por Marcos André de Freitas Hidalgo, com o tempo de 14 minutos e 10 segundos. O mesmo percurso foi concluído em 18 minutos e 32 segundos por Sandra Regina Zago Duarte, que alcançou a melhor marca da prova entre as mulheres.

Sustentabilidade

Além de incentivar a prática esportiva visando à saúde e qualidade de vida, a Corrida Pelo Verde estimulou a solidariedade. As inscrições foram gratuitas, mas os participantes puderam doar alimentos não perecíveis que serão destinados às entidades assistenciais de Ilha Solteira.

A programação também conscientizou o público sobre a importância da preservação ambiental. Utilizando energia limpa e chamando a atenção sobre diferentes formas de cuidar do meio ambiente, o evento foi abastecido por energia solar, gerada a partir de um veículo adaptado com placas fotovoltaicas, que ficou estacionado no local das provas.

PÓDIO

8KM – Masculino

1º Ricardo de Souza: 28 minutos e 53 segundos

2º Guilherme Diegues de Lima: 28 minutos e 55 segundos

3º Leonardo Rodrigo Duarte: 29 minutos e 43 segundos

8KM – Feminino

1º Bárbara Bento Bitencourt: 35 minutos e 52 segundos

2º Mírian Aparecida Rodrigues: 36 minutos

3º Brenda Silva da Costa:38 minutos e 45 segundos

4KM – Masculino

1º Marcos André de Freitas Hidalgo:14 minutos e 10 segundos

2º Otavio Emanoel Rodrigues: 14 minutos e 17 segundos

3º Nelson Alves Santiago: 14 minutos e 47 segundos

4KM – Feminino

1º Sandra Regina Zago Duarte: 18 minutos e 32 segundos

2º Alexandra G. V. de Menezes Jorge: 18 minutos e 51 segundos

3º Danielle Cristina Marques Gomes Pego: 19 minutos e 32 segundos

Peça infantil sobre aquecimento global visita 31 cidades

Alunos de escolas públicas de 31 cidades vizinhas das usinas hidrelétricas administradas pela CTG Brasil irão assistir a um espetáculo divertido sobre um assunto importante: o aquecimento global. De 14 de agosto a 6 de setembro, a peça “A Ursa Rosa em Projeto Iceberg – Entendendo as Mudanças Climáticas” circula pelos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás abordando os riscos para o planeta decorrentes das alterações na natureza.

Com uma abordagem leve e didática, a peça faz parte do projeto “Diverte Teatro Viajante”, que tem patrocínio da CTG Brasil, via Lei Rouanet, e realização da Ciência Divertida Brasil – empresa líder em atividades teatrais interativas para público de 4 a 17 anos. No ano passado, também sob o patrocínio da empresa, o espetáculo circulou em 40 municípios paulistas e paranaenses na região das hidrelétricas do Rio Paranapanema, alcançando cerca de 8.000 crianças.

De acordo com a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora, a companhia participa da vida dos municípios vizinhos aos seus empreendimentos também por meio dos projetos culturais, esportivos, sociais e de educação ambiental que apoia visando contribuir com o desenvolvimento local. “Essa proximidade com as comunidades é muito importante para nós”, ressalta.

Espetáculo interativo

Ursa Rosa, que mora no Polo Norte, pede socorro ao ver o gelo derretendo e o nível do mar, subindo. Cientistas recebem a mensagem e convidam a plateia a pensar sobre as mudanças climáticas que afetam a Terra e colocam em risco a vida da ursa e de todos os seres vivos.

Com uma linguagem simples, muita interação com o público e experiências científicas no palco, a peça sobre as mudanças climáticas torna o assunto acessível e interessante. “O Projeto Iceberg foca em entreter e ensinar o público infanto-juvenil, integrando a plateia na atuação e nas vivências do espetáculo”, diz o diretor da Ciência Divertida, Júlio Martinez. “Os alunos entendem a importância de discutir o aquecimento global, conseguem compreender o tema de uma maneira mais clara, participam e refletem sobre aquilo”, complementa.

Corrida Pelo Verde acontece neste domingo

A 4ª etapa da Corrida Pelo Verde promete movimentar Ilha Solteira na manhã deste domingo (5). O evento de corrida e caminhada terá largada na Praça dos Paiaguás, às 9h. Com patrocínio da CTG Brasil, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, a programação é realizada pela Associação Paraolímpica de Campinas (APC) e tem o apoio da Prefeitura Municipal.

No sábado (4), os inscritos para as provas de corrida (4 km e 8 km) e caminhada (4 km) devem retirar seus kits contendo camisa do evento, gymbag, número de peito, chip eletrônico (para cronometrar automaticamente o tempo do atleta) e medalha de participação. No posto de entrega dos kits, na Praça dos Paiaguás, o atendimento será das 10 às 16 horas. Quem ainda não se inscreveu, poderá fazer isso no local. O posto também estará arrecadando alimentos que serão doados a instituições da cidade. Para aderir à ação solidária, basta levar 1 kg de alimento não perecível.

A caminhada não requer inscrição prévia – é só ir até a praça no domingo, no horário da largada. A atividade é aberta a crianças, adolescentes, adultos, idosos e pessoas com deficiência, já que o evento tem uma estrutura adequada à inclusão deste público. No entanto, os kits de participação são restritos aos inscritos. Nas provas de corrida – para as quais é imprescindível a inscrição –, no masculino e feminino, os três primeiros atletas classificados receberão troféus.

O diretor da APC, Robson Panobianco, ressalta que além de estimular a prática esportiva, a Corrida Pelo Verde alerta para a necessidade de ações coletivas em prol do meio ambiente. Com esse foco, o evento será abastecido por energia solar, gerada a partir de um veículo adaptado com placas fotovoltaicas que estará estacionado no local das provas.

Para a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete Viana da Hora, o projeto vai ao encontro dos valores da empresa, que produz energia limpa com investimentos em 17 hidrelétricas e 11 parques eólicos, em 10 estados brasileiros. “Apoiamos iniciativas comprometidas com o meio ambiente e o bem-estar das pessoas. O projeto Corrida pelo Verde, assim como outros patrocinados pela CTG Brasil em Ilha Solteira, é mais uma forma de nos relacionarmos com a comunidade”, comenta.

Serviço

4ª Etapa da Corrida Pelo Verde

Inscrições: Gratuitas, no dia 4, na Praça dos Paiaguás

Evento: 5 de agosto (domingo), às 9h

Local da largada: Praça dos Paiaguás, Ilha Solteira

Exposição retrata história da Hidrelétrica Rosana

Nesta semana, a hidrelétrica Rosana inaugura uma exposição histórica permanente apresentando os fatos mais marcantes dos seus 31 anos de atividades, em painéis com fotos e textos.  Com a mostra instalada na sede da usina, a CTG Brasil – empresa que opera Rosana por meio da Rio Paranapanema Energia – está disponibilizando para colaboradores e visitantes esse importante acervo e colaborando para manter a história da usina viva. A hidrelétrica Rosana fica no Rio Paranapanema, entre os municípios de Rosana (SP) e Diamante do Norte (PR), e recebe grupos de visitantes de cidades da região, especialmente estudantes, por meio de um programa visitas.

A exposição é realizada em parceria com a Fundação Energia e Saneamento e foi elaborada com o propósito de preservar a memória da usina, que tem importante papel no desenvolvimento regional. “A partir de agora, esse resgate histórico pode ser compartilhado com as gerações atuais e futuras, já que a exposição passa a fazer parte do roteiro de visitação da usina”, comenta a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora.

Nos painéis, além de fotos que retratam desde o período de construção da usina até os dias atuais, há informações técnicas da UHE Rosana, como capacidade, geração de energia, programas ambientais e projetos de pesquisas desenvolvidos na sua área de abrangência. O espaço também traz o perfil da CTG Brasil – uma das maiores empresas de energia limpa do mundo que administra 14 hidrelétricas no País, oito delas no Rio Paranapanema.

Visitação

A visita à exposição, bem como aos demais espaços da usina hidrelétrica Rosana, é gratuita e está aberta a estudantes e outros grupos interessados, de 25 a 50 pessoas. É necessário fazer um agendamento prévio pelo e-mail programadevisitas@andreucci.com.br. No caso de escolas (ensinos fundamental, médio e superior), os estudantes devem ser acompanhados por três representantes da instituição.

O Programa de Visitas da CTG Brasil é realizado por monitores que explicam o funcionamento da usina, enquanto percorrem com os visitantes salas de comando, turbinas e barragem – um roteiro que dura em média 1 hora. “O público também recebe informações sobre os programas ambientais da companhia, além da importância do uso sustentável da água, que é nossa fonte de energia e patrimônio natural de todos”, ressalta a diretora da empresa.

Hidrelétrica Ilha Solteira completa 45 anos investindo em modernização

Neste 18 de julho, a hidrelétrica Ilha Solteira completa 45 anos em operação. Com capacidade instalada de 3.444 MW e 20 unidades geradoras, a usina produziu no ano passado energia para abastecer uma cidade de cerca de 4,2 milhões de habitantes. Após mais de quatro décadas contribuindo para o sistema elétrico brasileiro, a usina agora recebe o maior investimento em modernização de hidrelétricas do Brasil: R$ 3 bilhões em um projeto que contempla também a vizinha usina Jupiá.

Iniciado em março de 2017, o trabalho para modernizar as 34 unidades geradoras do complexo Jupiá-Ilha Solteira deve durar de oito a dez anos. Localizadas no Rio Paraná, na divisa dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, juntas compõem o maior complexo hidrelétrico das regiões Sudeste e Centro-Oeste do País, com capacidade total instalada de 4.995,2 MW.

Atualmente na segunda fase de execução, as obras estão gerando cerca de 250 empregos diretos na região. Cerca de 300 pessoas estão envolvidas no projeto de modernização, incluindo a participação de 10 engenheiros chineses que possuem experiência na operação de máquinas novas, combinando os conhecimentos do Brasil e da China em geração de energia limpa.

“Ilha Solteira, assim como Jupiá, é uma referência no mercado brasileiro de geração de energia. Sua modernização reforça o nosso compromisso de longo prazo com o País e a preocupação com a qualidade e a confiabilidade de nossos ativos”, afirma o Evandro Vasconcelos, vice-presidente de Geração da CTG Brasil.

A empresa adquiriu as concessões de Ilha Solteira e Jupiá em um leilão organizado pelo governo brasileiro em novembro de 2015, com uma outorga de R$ 13,8 bilhões, e iniciou a operação das usinas em julho de 2016 pelo período de 30 anos. Presente em 10 estados brasileiros, a CTG Brasil também administra mais 12 hidrelétricas e possui participação em outras três, além de participações em ativos de energia eólica.

Meio ambiente

A CTG Brasil tem a missão de gerar energia limpa para as pessoas por meio de projetos que estejam em harmonia com o planeta, por isso ações que protejam e conservem o meio ambiente são essenciais em sua atuação.

A empresa utiliza os recursos de forma sustentável e realiza diversos programas e ações com o objetivo de proteger a biodiversidade, restaurar habitats naturais, conscientizar comunidades e parceiros, conservar a fauna e flora, e melhorar a gestão dos recursos naturais.

O Programa de Manejo Pesqueiro, por exemplo, é uma dessas ações, pois contribui para a manutenção e preservação da biodiversidade da ictiofauna, a conservação dos rio e elevação do estoque pesqueiro. Em 2018, a meta é soltar 945 mil alevinos no Rio Paraná, sendo que 690 mil já foram soltos no primeiro semestre e mais 255 mil estão previsto para o restante do ano.

Outras ações, como as de educação ambiental, o monitoramento e levantamento de Ariranhas no rio Sucuruí, o Programa de Monitoramento Limnológico e Qualidade da Água, e o Programa Espaço Legal complementam os investimentos em meio ambiente.

Sustentabilidade e Investimento social

O engajamento e envolvimento com as comunidades é um dos pilares da estratégia de Sustentabilidade da CTG Brasil, que entende que ações com esse propósito podem fortalecer e transformar as localidades próximas às operações da empresa.

Por isso, a companhia realiza programas socioambientais e culturais, além de investir em apoios e patrocínios que promovem diversas ações e atrações nas regiões das usinas. Em 2017, foram investidos R$ 15,4 milhões em ações sociais que beneficiaram mais de 100 mil pessoas nas comunidades onde atua.

Orquestra Jovem de Ilha Solteira inicia temporada de apresentações

A Orquestra Jovem de Ilha Solteira apresenta seu novo espetáculo, “Clássicos do Rock”, em Selvíria (MS), no dia 13 de julho, às 21 horas, abrindo a Temporada de Apresentações 2018, realizada pelo Ministério da Cultura com patrocínio da CTG Brasil via Lei Rouanet. O grupo fará apresentação única no município como parte da programação da 2ª Selviarte. Público e gratuito, o evento será na Avenida João Selvírio de Souza.

Em seu novo concerto, a Orquestra Jovem de Ilha Solteira traz um repertório moderno e variado com canções de diversos estilos e épocas, reunindo sucessos internacionais e ritmos brasileiros da atualidade, com roupagem erudita, sob a regência do Maestro Wellington Reginaldo Rodrigues dos Santos.

A Temporada de Apresentações é um projeto de revitalização e circulação da Orquestra Jovem de Ilha Solteira, que foi iniciado com a aquisição de novos instrumentos e a realização de concertos didáticos em escolas do município. O patrocínio da CTG Brasil viabiliza a série de apresentações em cidades de quatro estados. Além de Selvíria, os espetáculos ocorrerão em Ilha Solteira e Castilho (SP), Três Lagoas (MS), Caçu e Itarumã (GO), Abdon Batista e Cerro Negro (SC).

“Estamos satisfeitos com a parceria e desejamos sucesso na nova temporada”, diz Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade de CTG Brasil. “Será bom compartilharmos o talento musical dos jovens ilhenses com outras comunidades nas quais a CTG Brasil atua. E para a Orquestra Jovem, é uma oportunidade de levar o trabalho a novos públicos, o que costuma ser bastante motivador para os músicos”, complementa.

Além das atividades citadas, a Orquestra Jovem de Ilha Solteira, por meio da Prefeitura Municipal, continua oferecendo oficinas gratuitas de madeira, metais, cordas e percussão na Casa da Cultura Rachel Dossi.

Abertas as inscrições para a Corrida pelo Verde de Ilha solteira

Ilha Solteira sedia, pela primeira vez, a Corrida pelo Verde. Patrocinada pela CTG Brasil por meio da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE), é realizada pela Associação Paraolímpica de Campinas (APC) e conta com o apoio da Prefeitura Municipal.

A 4ª etapa do evento ocorrerá em Ilha Solteira no domingo, 5 de agosto, com largada às 9h da Praça dos Paiaguás. As inscrições podem ser feitas a partir do dia 9 de julho, exclusivamente pelo site www.corridapeloverde.com.br. Há 3 mil vagas disponíveis: 2 mil para a corrida (4 km e 8 km), e mil para a caminhada (4 km). A participação é gratuita e aberta a crianças, adolescentes, adultos, idosos e pessoas com deficiência.

Os participantes inscritos receberão gymbag, número de peito, camisa do evento, um chip eletrônico (que cronometra automaticamente o tempo individual do atleta) e medalhas. Os três primeiros colocados nas categorias gerais de 4 km e 8 km feminino e masculino serão premiados com troféus. A retirada dos kits será no sábado, dia 4 de agosto, das 10h às 16h, no Paço Municipal (Praça dos Paiaguás, 86). Na ocasião, os participantes poderão doar 1 kg de alimento não perecível. A arrecadação será destinada para instituições locais.

De acordo com o diretor da APC, Robson Panobianco, a Corrida Pelo Verde promove a prática esportiva, mas também tem um foco ambiental. “O objetivo é conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação do meio ambiente”, diz.

Por conta disso, o evento será abastecido por energia solar gerada a partir de um veículo adaptado com placas fotovoltaicas que estará estacionado no local das provas.

Para a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, Salete Viana da Hora, o projeto vai ao encontro dos valores da empresa patrocinadora, que produz energia limpa com investimentos em 17 hidrelétricas e 11 parques eólicos, em 10 estados brasileiros. “Apoiamos iniciativas comprometidas com o meio ambiente e o bem-estar das pessoas. O projeto Corrida pelo Verde, assim como outros patrocinados pela CTG Brasil na região, é também uma forma de nos relacionarmos com as comunidades vizinhas da hidrelétrica Ilha Solteira”, comenta.

Serviço

4ª Etapa da Corrida Pelo Verde

Inscrições: Gratuitas, de 9 a 27 de julho, pela internet

Site: www.corridapeloverde.com.br

Data da prova: 5 de agosto (domingo)

Local: Praça dos Paiaguás, Ilha Solteira

 

CTG Brasil

Criada em 2013, a CTG Brasil é uma subsidiária 100% controlada pela China Three Gorges Corporation. Com investimentos em 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos, o portfólio da CTG Brasil hoje tem uma capacidade total instalada de 8,27 GW.  Segunda maior geradora privada de energia do país, a CTG Brasil conta com a dedicação de seus talentos locais e está comprometida em contribuir com matriz energética brasileira, pautada pela responsabilidade social e respeito ao meio ambiente.

CTG Brasil disponibiliza Demonstrações Contábeis Regulatórias de 2017 da Rio Paraná Energia S.A.

Está disponível para download o documento de Demonstrações Contábeis Regulatórias relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2017 da Rio Paraná Energia S.A., uma das empresas da CTG no Brasil, responsável pelas operações das usinas hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira.
O documento foi elaborado de acordo com a legislação societária brasileira e com o Manual de Contabilidade do Setor Elétrico (MCSE).

Para acessar, clique aqui.