Seminário ambiental destaca campanha da CTG Brasil

Por sua importância para a sustentabilidade dos reservatórios hidrelétricos e bem-estar das comunidades no entorno, a Campanha Espaço Legal, da CTG Brasil, será apresentada no 8º Seminário Brasileiro de Meio Ambiente e Responsabilidade Social no Setor Elétrico (SMARS). O evento, que acontece nos dias 8 e 9 de maio, em Salvador (BA), colabora para que as boas práticas do setor sejam compartilhadas pelas empresas participantes, facilitando o intercâmbio dessas experiências.

Utilizada pela CTG Brasil para promover o uso ambientalmente correto das margens e das águas dos reservatórios das 14 hidrelétricas que administra no País, a Campanha Espaço Legal é dirigida às comunidades vizinhas com o objetivo de informar e sensibilizar para a necessidade de regularização ambiental. A iniciativa alcança 125 municípios dos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina banhados pelos reservatórios da companhia, e já apresenta bons resultados

“A campanha contempla os compromissos de sustentabilidade, exigências da legislação ambiental e responsabilidade social da companhia”, diz o diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança da CTG Brasil, Aljan Machado. Ele explica que a gestão sociopatrimonial dos reservatórios exige a articulação com diferentes órgãos ambientais, instituições e comunidades, já que há competências compartilhadas e complementares entre os diversos atores, visando à conservação ambiental e sustentabilidade.

“Nesse contexto, a Espaço Legal vem fortalecendo a gestão compartilhada entre concessionária,  governos e usuários dos recursos hídricos. Surgiram também oportunidades de ações conjuntas para a remoção de estruturas precárias que serviam de apoio à caça e pesca predatória, bem com a regularização de usos já existentes e autorizações para novos empreendimentos – tudo em consonância com a legislação ambiental e o novo Código Florestal”, destaca Machado.

Como parte da campanha, a CTG Brasil elaborou um guia explicando os procedimentos necessários ao processo de regularização, de acordo com os diferentes tipos de uso. O Guia Espaço Legal está disponível para download no endereço www.ctgbr.com.br/gestaopatrimonial. A campanha também fomenta a informação à comunidade por meio da imprensa e promove palestras e encontros de técnicos da empresa com públicos estratégicos.

CTG Brasil divulga relatório de sustentabilidade 2017

A CTG Brasil, uma das principais geradoras de energia privadas do País, divulgou o seu relatório de sustentabilidade referente ao ano de 2017, mostrando o compromisso de prover energia limpa para as pessoas por meio de projetos em harmonia com o planeta.

“Para se aproximar cada vez mais desse ideal, a empresa tem centralizado seus esforços em aprimorar suas práticas de gestão e preparar-se para novos ciclos de crescimento baseando-se em práticas sustentáveis e na geração de valor em longo prazo”, afirma a CTG Brasil em seu relatório.

Ao longo de 2017, o tema sustentabilidade foi definido como um dos direcionadores para a criação de valor da CTG Brasil, o que motivou a elaboração de uma Política e de uma Estratégia de Sustentabilidade, inspiradas no princípio de que a Companhia tem como missão “gerar energia limpa para as pessoas por meio de projetos em harmonia com o planeta”.

A empresa tem investido na integração de seus negócios, observando e valorizando as diversas experiências e culturas e compartilhando-as com toda a organização. Ao privilegiar as melhores práticas e extrair o melhor da experiência de seus profissionais, harmoniza seus processos e se fortalece para novos desafios.

Ao longo de 2017, a CTG Brasil investiu R$ 436,3 milhões, dos quais R$ 400,1 milhões (91,7%) foram utilizados em modernização e atualização de equipamentos, de forma a manter a disponibilidade e confiabilidade das unidades geradoras.

Os projetos de Pesquisa & Desenvolvimento receberam investimentos de R$ 6,4 milhões, sendo que o maior volume, 34% foi destinado a projetos de natureza ambiental. Estes projetos têm como premissas promover a cultura da inovação e estimular a geração de conhecimento no setor elétrico, intensificando suas parcerias com os principais centros de excelência do Brasil e no exterior para resolver ou mitigar, pelo uso da pesquisa, os problemas crônicos do setor, melhorar a eficiência operacional e disponibilidade das usinas no Brasil.

Entre os principais investimentos da companhia em P&D está o projeto de Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant ou drone) para o monitoramento remoto de reservatórios de usinas hidrelétricas, desenvolvido pela CTG Brasil, que conquistou em 2017 o primeiro lugar em duas categorias das três premiações do Congresso de Inovação Tecnológica em Energia Elétrica (Citenel): Melhor Produto em Exposição e Melhor Trabalho Técnico em Pesquisa e Desenvolvimento.

Outro projeto de destaque é o Revegetação, que tem como objetivo possibilitar o desenvolvimento de novas tecnologias para a avaliação de serviços ecossistêmicos, melhorando o conhecimento dos aspectos estruturais e funcionais de faixas de revegetação em corredores ecológicos, como a presença e a diversidade de fauna, bem como sua funcionalidade em promover o trânsito das espécies.

Os investimentos foram feitos pelas quatro geradoras de energia da CTG Brasil – Rio Paranapanema, Rio Paraná, Rio Verde e Rio Canoas.

“Para definir uma destinação adequada desse montante, realizou-se um mapeamento de processos e sistemas adotados pelas geradoras, com o objetivo de identificar as diferenças, possíveis sinergias e implementação de melhorias no curto prazo”, afirma a CTG Brasil em seu relatório.

Os demais investimentos da CTG Brasil em Pesquisa & Desenvolvimento foram destinados a Planejamento de Sistemas de Energia (23%), Gestão de Bacias e Reservatórios (14%), Fontes Alternativas de Energia (6%) e Supervisão, Controle e Operação (4%). Investimentos em outras áreas totalizaram 19%.

O relatório de sustentabilidade também aborda a questão da integração dos funcionários, após as aquisições realizadas entre 2014 e 2016, mostrando que as ações de integração foram o foco da Diretoria de Recursos Humanos em 2017, com o objetivo de quebrar qualquer tipo de barreira entre os colaboradores e disseminar os valores da Companhia.

Para conhecer o Relatório de Sustentabilidade 2017 da CTG Brasil, acesse http://www.ctgbr.com.br/relatorioanual2017.

 

 

 

 

Voluntariado da CTG Brasil atua em 10 cidades

Neste sábado (21), a CTG Brasil promove ações de voluntariado nos Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná e Santa Catarina, contemplando 10 municípios onde atua. A programação integra o Dia das Boas Ações, movimento global de incentivo ao voluntariado que tem sua terceira edição no Brasil patrocinada pela empresa.

Mais de 100 voluntários – colaboradores das usinas hidrelétricas operadas pela empresa e dos escritórios de São Paulo e Curitiba – estão doando seu trabalho para melhorar a infraestrutura de entidades e dedicando tempo ao relacionamento com o público assistido, de crianças a idosos. Nessas ações, a CTG Brasil entra com a organização e os recursos materiais e os colaboradores, com a mão de obra.

“Encontramos no Dia das Boas Ações, esse grande evento de voluntariado, uma excelente forma de incentivar e engajar os nossos colaboradores a abraçarem uma boa causa. Será um movimento importante para despertar o desejo de todos nós de contribuir cada vez mais para um futuro melhor”, diz a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade, Salete da Hora.

Instituição Município Voluntários/UHE Ação
Asilo São Vicente Porecatu (PR) Capivara Melhorias no refeitório

Arrecadação de fraldas geriátricas

Almoço com música ao vivo e bingo

Instituto Sociocultural e Ambiental do Pontal do Paranapanema Rosana (SP) Taquaruçu e Rosana Reforma do espaço de aulas e oficinas
Apae Salto Grande (SP) Salto Grande, Chavantes e Jurumirim Implantação de jardim sensorial
Creche Menino Jesus Cândido Mota (SP) Canoas I e II Pintura da fachada e do pátio (paredes e piso com jogos educativos)
Associação Centro de Apoio Familiar Ilha Solteira (SP) Ilha Solteira Implantação de jardim e horta
Missão Salesiana Três Lagoas (MS) Jupiá Reforma do parque infantil
ONG Goles de Afeto Campos Novos e Abdon Batista (SC) Garibaldi Distribuição de 400 garrafas decoradas e com mensagens de afeto, em locais públicos
Associação Beneficente Auta de Souza Salto (GO) Rio Verde Pintura da fachada

Arrecadação de fraldas geriátricas

Projeto Parabéns e ONG Gotas de Flor com Amor São Paulo (SP) Sede administrativa Festa de aniversário para crianças que moram em abrigos e mutirão de pintura nas salas de aulas da ONG
Asilo São Vicente Curitiba (PR) Escritório Plantio de horta

 

Sobre o movimento

Maior evento de mobilização voluntária do mundo, o Dia das Boas Ações está presente em mais de 90 países. No Brasil, é realizado pelo Atados e produzido pela Muda Cultural. A plataforma online do Atados (www.atados.com.br) conecta 1.300 ONGs e 75 mil usuários cadastrados, facilitando o engajamento no voluntariado. De 16 a 22 de abril, mais de 100 ações voluntárias estão sendo realizadas em diversas cidades do País. No ano passado, as atividades beneficiaram mais de 25 mil pessoas. A expectativa para este ano é ampliar esse número para 40 mil.

CTG Brasil patrocina o Dia das Boas Ações, movimento global de voluntariado

A CTG Brasil, uma das principais geradoras privadas de energia elétrica do País, será a patrocinadora do Dia das Boas Ações 2018, movimento global de voluntariado presente em mais de 90 países e que terá neste ano sua terceira edição brasileira.

O objetivo do movimento, realizado no Brasil pelo Atados e produzido pela Muda Cultural, é despertar nas pessoas o engajamento em diferentes causas sociais por meio de eventos culturais e artísticos e oportunidades de voluntariado.

A abertura do Dia das Boas Ações acontecerá no dia 15 de abril (domingo), no Parque do Ibirapuera, em São Paulo (SP), que reunirá, das 11h às 20h, mais de 30 ONGs para incentivar o voluntariado durante a semana toda. Além disso, o evento terá diversas atrações culturais, como espetáculos de teatro e circo para crianças, apresentações de dança e shows especiais.

Haverá também duas vilas temáticas – “Sustentabilidade” e “Saúde e Bem-estar”, com oficinas de instituições participantes e uma série de apresentações para pessoas de todas as idades. Os espaços contam com atrações artísticas e oficinas temáticas de organizações que atuam, de diferentes formas, em várias regiões de São Paulo.

“O programa de voluntariado da CTG Brasil nasceu da vontade de fazer mais pela nossa comunidade e de nos fortalecermos como time. Encontramos no Dia das Boas Ações, esse grande evento de voluntariado, uma excelente forma de incentivar e engajar os nossos colaboradores a abraçarem uma boa causa. Será um movimento importante para despertar o desejo de todos em contribuir cada vez mais para um futuro melhor”, diz Salete da Hora, Diretora de Marca, Comunicação & Sustentabilidade da companhia.

Além do evento em São Paulo, a CTG Brasil estenderá o Dia das Boas Ações para nove municípios que fazem parte da sua área de atuação: Ilha Solteira/SP, Três Lagoas/MS, Rio Verde/GO, Campos Novos/SC, Porecatu/PR, Rosana/SP, Salto Grande/SP, Candido Mota/SP e Curitiba/PR. Nessas cidades, o Dia das Boas Ações acontecerá simultaneamente no dia 21 de abril.

Hidrelétrica Jupiá completa 49 anos de operação

A usina hidrelétrica UHE “Engenheiro Souza Dias” (Jupiá), localizada em Três Lagoas (MS) e administrada pela CTG Brasil, completa 49 anos de operações no próximo dia 14 de abril. Primeiro grande aproveitamento hidrelétrico do Brasil, em 1969 a usina entrou em operação parcial, e a partir de 1974 a capacidade total de 1.551,2 MW foi atingida.

Depois de quase 50 anos, Jupiá, ao lado de Ilha Solteira, passa pelo maior processo de modernização de usinas hidrelétricas brasileiras. Em 10 anos, os investimentos serão de R$ 3 bilhões. Quatro das 34 unidades geradoras já estão sendo modernizadas, com previsão de conclusão ainda em 2018.

Em 2017, Jupiá produziu 7.365.309 Megawatt-hora, energia suficiente para atender a demanda de uma cidade com cerca de 2,5 milhões de habitantes.

Aproveitando o potencial energético do Rio Paraná, Jupiá compõe com Ilha Solteira o maior complexo hidrelétrico das regiões Sudeste e Centro-Oeste do país, com capacidade total instalada de 4.995,2 MW.

“Jupiá e Ilha Solteira são projetos de referência no mercado brasileiro de geração de energia. Sua modernização reforça o nosso compromisso de longo prazo com o País e a preocupação com a qualidade e a confiabilidade de nossos ativos”, afirma o Evandro Vasconcelos, vice-presidente de Geração da CTG Brasil.

A companhia adquiriu as concessões de Jupiá e Ilha Solteira em um leilão organizado pelo governo brasileiro em novembro de 2015, com uma outorga de R$ 13,8 bilhões. A CTG Brasil iniciou a operação das usinas em julho de 2016, pelo período de 30 anos.

Além de Jupiá e Ilha Solteira, a CTG Brasil administra outras 12 usinas hidrelétricas e possui participação em outras três. A companhia também possui participações em ativos de energia eólica em três estados brasileiros.

Reservatório

A hidrelétrica Jupiá possui um reservatório de 330 quilômetros quadrados que se estende por 514 quilômetros, banhando sete municípios de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Uma vez implantado, o lago extrapolou a finalidade principal de assegurar água para a geração da usina e passou a ter usos múltiplos pelas comunidades. Aproveitados para as atividades náuticas, de pesca e lazer, os reservatórios das usinas colaboram para impulsionar a indústria do turismo na região.

A implantação de uma eclusa em Jupiá, em 1998, possibilitou a navegação no Rio Paraná e a integração hidroviária com o Rio Tietê. A eclusa representa a porta de entrada do Mercosul, interligando o sistema fluvial à malha viária paulista e do centro-oeste do país.

Projeto Uniarte tem patrocínio da CTG Brasil

Em Ilha Solteira (SP), o Projeto Uniarte oferece a jovens artistas a oportunidade de participarem, como bolsistas, de oficinas multidisciplinares de artes cênicas e atividades de difusão cultural. Realizada pelo Ministério da Cultura e a Brigueiro Participações e Serviços Teatrais, a programação tem patrocínio, via Lei Rouanet, da CTG Brasil. A Prefeitura Municipal é parceira do projeto.

Além das oficinas de Produção Teatral, Formação de Atores, Dança e Expressão Teatral e Música, o projeto prevê a montagem de um espetáculo teatral e diversas atividades de difusão cultural ao longo do ano, como 10 edições da Manhã Literária na Biblioteca Municipal Assis Chateaubriand. Crianças da rede municipal serão contempladas com sessões de contação de histórias oriundas dos folclores chinês e brasileiro.

O projeto culmina com a montagem de um espetáculo teatral inspirado nesses temas folclóricos. As apresentações públicas e gratuitas ocorrerão, no final do ano, em Ilha Solteira e mais sete cidades vizinhas das hidrelétricas operadas pela CTG Brasil em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Santa Catarina.

“Nós, da CTG Brasil, estamos felizes em investir no futuro destes jovens talentos. Esta e outras iniciativas da empresa de fomento à cultura, em Ilha Solteira, fortalecem ainda mais os nossos laços com a comunidade”, comenta a diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade, Salete da Hora.

Processo seletivo –  Candidatos às 10 bolsas devem se inscrever de 21 a 27 de março, na Casa da Cultura Rachel Dossi ou pelo e-mail uniarteilha@gmail.com. A seleção acontecerá no dia 27 de março, às 18h, no Cine Paiaguás. O resultado será divulgado no dia 29 de março, na página da Uniarte no Facebook (www.facebook.com/uniarteilha). As aulas começam no dia 3 de abril.

CTG Brasil comemora Dia da Água com solturas de peixes e educação ambiental

A CTG Brasil promove uma série de atividades alusivas ao Dia Mundial da Água, lembrado nesta quinta-feira, 22 de março. Com solturas de peixes e atividades de educação ambiental realizadas ao longo da semana, a companhia alcançou as comunidades situadas nos municípios vizinhos aos seus empreendimentos.

Na região da Bacia da Hidrográfica do Rio Sapucaí, a CTG Brasil soltou 23 mil peixes jovens nos reservatórios das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Palmeiras e Retiro, em Guará e São Joaquim da Barra. Além disso, a empresa promoveu uma palestra para 50 alunos de duas escolas municipais de Guará.

No Rio Paranapanema, as comemorações do Dia da Água resultaram na soltura de 250 mil peixes nos oito reservatórios das hidrelétricas operadas pela CTG Brasil nesta região. Para totalizar um lote de 400 mil exemplares soltos no rio, a companhia reservou as espécies curimbatá, piava-três-pintas e piauçu.

Já a programação educativa, que prossegue na próxima semana, envolveu a equipe de meio ambiente em palestras sobre reprodução de peixes em cativeiro e repovoamento da Bacia do Paranapanema para cerca de 350 alunos de escolas públicas nos seguintes municípios: Avaré, Santa Cruz do Rio Pardo, Palmital e Teodoro Sampaio, do lado paulista; e Ribeirão Claro, Andirá, Santo Inácio e Santa Mariana, do lado paranaense.

No município de Paranaíba (MS) também teve soltura de 60 mil peixes no reservatório da usina hidrelétrica Ilha Solteira. A atividade foi realizada dia 21, na Estância Turística Alencastro, com a participação de 50 alunos da rede municipal de ensino.

Em Caçu (GO), região da usina hidrelétrica Salto, no Dia da Água, 250 estudantes participaram de palestras sobre a importância do uso sustentável da água, o funcionamento da usina hidrelétrica e os principais projetos ambientais da empresa na região.

Ainda em Santa Cruz do Rio Pardo, nesta sexta-feira (23), a CTG Brasil participa do evento que celebra também o Dia do Rio Pardo (25), realizado em parceria com a Sabesp, Prefeitura Municipal e ONG Rio Pardo Vivo. Serão colocados 50 mil peixes no Rio Pardo, o mais importante afluente do Paranapanema a desaguar no reservatório de Salto Grande.

Para o diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança da CTG Brasil, Aljan Machado, todas as atividades expressam a responsabilidade ambiental da empresa ao preservar os recursos naturais e estimular as comunidades no entorno de seus empreendimentos a fazerem o mesmo. “Ao desenvolvermos todos os nossos projetos ambientais, incluindo as solturas de peixes e atividades com as crianças, estamos investindo no presente e no futuro”, enfatiza.

8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

A CTG Brasil também marcou presença no 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília (DF), de 18 a 23 de março. A empresa é uma das patrocinadoras do Green Nation – evento que discute o aproveitamento racional e sustentável dos recursos hídricos. Durante a programação, os visitantes conheceram o projeto “Asa Delta”, podendo sobrevoar em uma asa delta locais como as Cataratas do Iguaçu e a usina hidrelétrica Ilha Solteira (SP), uma das mais importantes do País.

CTG Brasil patrocina Green Nation, dentro do 8º Fórum Mundial da Água

A CTG Brasil, uma das principais geradoras privadas de energia elétrica do País, será uma das patrocinadoras do Green Nation, que em sua quarta edição acontece durante o 8º Fórum Mundial da Água, em Brasília (DF) de 18 a 23 de março.

Uma das maiores novidades no evento será a instalação “Asa Delta”, um passeio em realidade virtual tendo como foco de abordagem o protagonismo das águas brasileiras. Os visitantes “voam” em uma asa delta em realidade virtual por locais como a usina hidrelétrica Ilha Solteira, uma das mais importantes do Brasil, controlada pela CTG Brasil.

“A CTG Brasil tem o DNA da Sustentabilidade em sua missão, que é prover energia limpa para as pessoas por meio de projetos em harmonia com o planeta. Por isso, temos todo o interesse em apoiar ações como o Green Nation, que promovem a conscientização desse tema tão relevante para a sociedade”, diz Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil.

O Green Nation é um movimento brasileiro que une experimentação, sensorialidade, emoções e interatividade, entretenimento e inovação para dialogar com a sociedade sobre as mudanças necessárias para a consolidação de novos cenários para pessoas, negócios e o meio ambiente. As ações são estruturadas em três áreas: Sustentabilidade, cidadania e bem-estar.

O evento irá ocupar uma área de cerca de 2,7 mil metros quadrados na Vila Cidadã do Fórum Mundial da Água, que tem como objetivo discutir o aproveitamento racional e sustentável dos recursos hídricos. Organizado pelo Conselho Mundial da Água, o Fórum Mundial da Água acontece a cada três anos e é uma iniciativa do Conselho Mundial da Água, composta por representantes de governos, academia, sociedade civil, empresas e organizações não governamentais.

“Nós acreditamos que a sustentabilidade é uma atitude. Para entendê-la é preciso experimentar. Quem sente não esquece e muda seus hábitos porque entende que a sua vida e de outros depende disso. O Green Nation acredita que, para garantir o futuro do planeta agora, é preciso engajar pessoas através das emoções e das inovações. No Fórum Mundial da Água, nossa missão é mostrar a sustentabilidade em todos os sentidos”, destaca o diretor Geral do Green Nation, Marcos Didonet.

GREEN NATION – VILA CIDADÃ – 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

De 17 a 23 de março de 2018

09h às 17h

Estádio Nacional Mané Garrincha – Brasília (DF)

Credenciamento prévio:

http://www.worldwaterforum8.org/pt-­‐‑br/credenciamento

 

Maior hidrelétrica do Paranapanema completa 41 anos

Em 10 de março de 1977, a hidrelétrica Capivara iniciava suas operações. Decorridos 41 anos, a usina ainda figura entre as mais importantes do país, com produção em torno de 450 MW médios para o sistema elétrico brasileiro – energia suficiente para abastecer uma cidade de 1,35 milhão de habitantes. Atualmente, Capivara passa por um processo de modernização e repotenciação. De acordo com a concessionária CTG Brasil, a expectativa é concluir os trabalhos até o primeiro semestre de 2019, ampliando a capacidade instalada em 24MW.

Se a modernização de Capivara é uma obra expressiva, que envolve um contingente de aproximadamente 100 profissionais e um investimento estimado em R$150 milhões – a construção da hidrelétrica foi um empreendimento gigantesco, que movimentou a economia muito além das cidades-sede da usina: Taciba, pelo lado paulista, e Porecatu, pelo paranaense. Para se ter uma ideia da abrangência, o reservatório alcança 20 municípios da Bacia do Paranapanema, uma área que foi impactada também com melhorias na infraestrutura, como a implantação de estradas e pontes.

Atualmente sob a concessão da Rio Paranapanema Energia, uma empresa da CTG Brasil – segunda maior companhia de energia privada do país –, Capivara é um bem da União que a concessionária possui o direito de operar. A CTG Brasil assumiu a operação de Capivara em dezembro de 2016 e detém a concessão até 2029.

Sobre o relacionamento com os municípios vizinhos, Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da CTG Brasil, diz que a companhia investe numa relação cada vez mais próxima. “Queremos estreitar laços e contribuir para o desenvolvimento social, ambiental e econômico dessas comunidades. Para isso, estamos promovendo diversas ações, e de forma cada vez mais significativa e focada nesses objetivos”, expõe.

Capivara tem o maior reservatório do rio Paranapanema, com 576 quilômetros quadrados de área e 5,7 bilhões de metros cúbicos represados. São 1.550 quilômetros lineares de bordas, banhando nove cidades paulistas e 11 paranaenses. Uma vez implantado, o grande lago extrapolou a finalidade principal de assegurar a água para a geração da usina, e passou a ter usos múltiplos, pelas comunidades. No entanto, áreas de agropecuária, loteamentos, de lazer, hotelaria e outras, confrontantes com o reservatório, precisam ser regularizadas ambientalmente.

“A regularização de acordo com as leis ambientais brasileiras ajuda a conservar um patrimônio natural que é de toda a sociedade. O objetivo é que as atividades desenvolvidas ou pretendidas às margens do reservatório ocorram de maneira regular e ordenada, e não comprometam a natureza e o uso sustentável do rio Paranapanema”, justifica Ivan Toyama, gerente-adjunto de Patrimônio da CTG Brasil.

 

Mineira é a primeira mulher mecânica de manutenção da usina Jupiá

Em um momento em que as discussões sobre gênero estão em forte evidência, a mineira Geicielle Aparecida Vaz não se intimida diante do preconceito. Aos 24 anos, a primeira mulher a atuar como técnica de manutenção mecânica da usina hidrelétrica Jupiá – uma das principais usinas brasileiras operada pela CTG Brasil, no Rio Paraná –, escolheu um espaço profissional predominantemente masculino no setor elétrico. Disputar o atual cargo com um grupo formado por homens e conquistar a única vaga é uma vitória que contribuiu para reduzir as fronteiras profissionais entre mulheres e homens.

“Quando fui selecionada fiquei muito feliz por saber que a empresa em que eu trabalho, a CTG Brasil, seleciona quem está mais preparado, independente de gênero”, comenta. Sobre o trabalho com a equipe masculina, ela é enfática: “Não sofro nenhum tipo de discriminação. Pelo contrário, todos fazem questão de me ensinar, tirar minhas dúvidas, me incentivar”.

De acordo com a diretora de Recursos Humanos da CTG Brasil, Geisa Angeli, essa atitude da equipe está alinhada com a postura corporativa de equidade entre os gêneros. “Temos mulheres em todos os níveis hierárquicos. Estamos interessados em reconhecer e desenvolver talentos, independentemente de gênero, e em trazer a diversidade criativa para dentro da empresa”, expõe.

Para comprovar a afirmação de Geisa, a companhia acaba de contratar outra jovem na área de manutenção em Jupiá. Karini Rosseti, técnica em eletrônica, foi selecionada por meio do Programa Nova Geração, que buscou jovens profissionais para a área de Manutenção, e assumiu as atividades na usina em meados de fevereiro.

EDUCAÇÃO

Vencer na vida pela educação foi o conselho da mãe de Geicielle, uma dona de casa, às duas filhas. Ao invés do trabalho na lavoura, com o pai agricultor, as meninas então se dedicaram aos estudos. “Minha mãe sempre disse que eu poderia ser o que quisesse, desde que estudasse pra isso”, lembra a jovem, que munida de diploma, encarou os desafios.

Formada nos cursos técnicos e Mecânica e Eletrotécnica, Geicielle iniciou a carreira no setor elétrico como estagiária na UHE Estreito (MG). Depois foi contratada pela hidrelétrica Salto (GO), também operada pela CTG Brasil, e hoje, está em Jupiá. “Sou muito realizada por ser a primeira mecânica mulher da usina. Não me imagino fazendo outra coisa que não trabalhar em hidrelétrica, e espero construir uma carreira sólida em Jupiá”, diz Geicielle, cujos planos agora são iniciar, no segundo semestre deste ano, a faculdade de Engenharia Mecânica.