Mineira é a primeira mulher mecânica de manutenção da usina Jupiá

Em um momento em que as discussões sobre gênero estão em forte evidência, a mineira Geicielle Aparecida Vaz não se intimida diante do preconceito. Aos 24 anos, a primeira mulher a atuar como técnica de manutenção mecânica da usina hidrelétrica Jupiá – uma das principais usinas brasileiras operada pela CTG Brasil, no Rio Paraná –, escolheu um espaço profissional predominantemente masculino no setor elétrico. Disputar o atual cargo com um grupo formado por homens e conquistar a única vaga é uma vitória que contribuiu para reduzir as fronteiras profissionais entre mulheres e homens.

“Quando fui selecionada fiquei muito feliz por saber que a empresa em que eu trabalho, a CTG Brasil, seleciona quem está mais preparado, independente de gênero”, comenta. Sobre o trabalho com a equipe masculina, ela é enfática: “Não sofro nenhum tipo de discriminação. Pelo contrário, todos fazem questão de me ensinar, tirar minhas dúvidas, me incentivar”.

De acordo com a diretora de Recursos Humanos da CTG Brasil, Geisa Angeli, essa atitude da equipe está alinhada com a postura corporativa de equidade entre os gêneros. “Temos mulheres em todos os níveis hierárquicos. Estamos interessados em reconhecer e desenvolver talentos, independentemente de gênero, e em trazer a diversidade criativa para dentro da empresa”, expõe.

Para comprovar a afirmação de Geisa, a companhia acaba de contratar outra jovem na área de manutenção em Jupiá. Karini Rosseti, técnica em eletrônica, foi selecionada por meio do Programa Nova Geração, que buscou jovens profissionais para a área de Manutenção, e assumiu as atividades na usina em meados de fevereiro.

EDUCAÇÃO

Vencer na vida pela educação foi o conselho da mãe de Geicielle, uma dona de casa, às duas filhas. Ao invés do trabalho na lavoura, com o pai agricultor, as meninas então se dedicaram aos estudos. “Minha mãe sempre disse que eu poderia ser o que quisesse, desde que estudasse pra isso”, lembra a jovem, que munida de diploma, encarou os desafios.

Formada nos cursos técnicos e Mecânica e Eletrotécnica, Geicielle iniciou a carreira no setor elétrico como estagiária na UHE Estreito (MG). Depois foi contratada pela hidrelétrica Salto (GO), também operada pela CTG Brasil, e hoje, está em Jupiá. “Sou muito realizada por ser a primeira mecânica mulher da usina. Não me imagino fazendo outra coisa que não trabalhar em hidrelétrica, e espero construir uma carreira sólida em Jupiá”, diz Geicielle, cujos planos agora são iniciar, no segundo semestre deste ano, a faculdade de Engenharia Mecânica.